Janela da Alma

Neste documentário sobre a visão, vemos o depoimento da cineasta finlandesa Marjut Rimminem que foi estrábica durante grande parte da sua vida.  Diretor: João Jardim e Walter Carvalho.

Marjut Rimminem – Posso olhar para você e você provavelmente percebe que estou olhando para você. Antigamente quando eu olhava para uma pessoa, ela virava para o lado e perguntava “Com quem está falando?”. E isso era terrivelmente desagradável. Você não tem aquele contato com as pessoas. Eu lembro da minha mãe sempre olhando para mim com aquele olhar triste e deprimido. Olhando para mim, mas sem se comunicar comigo. Olhando através de mim como que dizendo “Coitada da minha filha, que horror”. E isso me afetou. Como se eu fosse um fracasso para que ela me olhasse assim. Mas eu estava decidida a não ser um fracasso, a lutar e fazer de tudo que pudesse, a escolher uma profissão na qual, possuindo algo único, conseguisse transformar essas cinzas em uma jóia. (…) Eu queria ser princesa como minhas colegas de classe, desempenhar o papel principal de princesa no teatro da escola, mas nunca fui escolhida para o papel de princesa. Meu papel era, frequentemente, o papel do rei. E eu passava a maior parte do tempo de cena embaixo de um pano cinza, transformada em pedra devido a um encantamento. No final da peça, quando o feitiço era quebrado, eu me levantava e podia voltar a ser rei durante aproximadamente dois minutos, e a peça acabava. Esse era meu papel. Então deixei de querer, depois de um certo tempo, parei de desejar o papel principal. Comecei a imaginar. E o fato de ser cineasta e de fazer cinema de animação me permite desempenhar todos os papéis. Eu manipulo os bonecos, desenho as personagens. Assim desempenho o papel de todas as personagens. O que me agrada muito. Finalmente consegui o papel da princesa ao qual sempre aspirei na escola. E o paradoxo em tudo isso é que logo depois da última operação, que foi bem sucedida e os olhos foram corrigidos, ninguém notou a diferença. Ninguém me disse:  “O que houve com seu olho? Que maravilha!”. Ninguém notou. Então de que adiantou todo esse trauma? Foi uma lesão interna.

Anúncios

5 Respostas to “Janela da Alma”

  1. Renata Says:

    Lindo isso! e forte.

  2. Estrabismo « A colecionadora de palavras Says:

    […] https://picadinhoderoteiro.wordpress.com/2010/06/08/janela-da-alma/ […]

  3. Raquel Says:

    Maravilhoso!!! Um dos melhores textos do Picadinho, sem dúvida.

  4. Janela da Alma (via Picadinho de Roteiro) « Says:

    […] Neste documentário sobre a visão, vemos o depoimento da cineasta finlandesa Marjut Rimminem que foi estrábica durante grande parte da sua vida.  Diretor: João Jardim e Walter Carvalho. Marjut Rimminem – Posso olhar para você e você provavelmente percebe que estou olhando para você. Antigamente quando eu olhava para uma pessoa, ela virava para o lado e perguntava “Com quem está falando?”. E isso era terrivelmente desagradável. Você não tem aquele … Read More […]

  5. Sandra Amaral Says:

    Janela da alma. É através da alma que são revelados nossos verdadeiros traumas e emoções contidas. E por causa disso carregamos o estigma de algo por muitos anos e que no final apenas com ações simples em busca de mudanças tudo poderia ter sido diferente…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: